Moradores da Região Metropolitana de Porto Alegre deliberam sobre fortalecimento do SUS

Em meio à pandemia, 40 moradores da Região Metropolitana de Porto Alegre são sorteados para deliberar sobre fortalecimento e melhorias para do SUS.

Iniciativa reúne defensores e especialistas da saúde pública com população para estruturar uma reivindicação cidadã para tempos aceitáveis de espera no sistema de saúde da Grande Porto Alegre brasileiro.


A pandemia da COVID19 evidenciou ainda mais a importância do Sistema Único de Saúde (SUS). Criado para dar atenção gratuita e universal, integral e igualitária para toda a população, o SUS atende especialmente os mais de 150 milhões de brasileiros e brasileiras que não têm planos de saúde privado, o que representa 75% da população. O SUS também é o responsável pela vacinação contra o Coronavírus em todo o País. No entanto, Dr. Armando de Negri Filho, da RBCE (Rede Brasileira de Cooperação em Emergências) esclarece que “o sistema ainda possui gargalos como a congestão dos serviços e tempos de espera e permanência bem acima do clinicamente aceitável, decorrentes em grande parte da falta de investimentos e infraestrutura sanitária”.


Pensando nesses tempos de espera inadequados, a RBCE e o Grito dos Excluídos Continental, junto com o Delibera Brasil, convida a população da Região Metropolitana de Porto Alegre para conhecer os critérios clínicos que definem tempos de espera aceitáveis, que evitariam mortes e sequelas graves, tanto para as urgências em geral e como para os atendimentos nos casos de fratura de fêmur em idosos, acidente vascular cerebral e insuficiência renal. A partir da apropriação desse conhecimento especializado os moradores irão deliberar e construir um documento sobre o que consideram tempos de espera socialmente aceitáveis e que encaminhamentos devem ser dados para que esses tempos sejam garantidos no SUS da Região.


Escutando aqueles que mais são afetados, os usuários do SUS, a iniciativa utiliza-se da metodologia dos minipúblicos: inovação democrática em que um grupo de cidadãs e cidadãos representativos do perfil das populações da Região, recrutado e sorteado aleatoriamente se aprofunda, delibera e faz recomendações sobre problemas e decisões de interesse público.


Para este projeto foram sorteadas 50 pessoas dentre os inscritos para participar de encontros online nos dias 14, 17, 21 e 24 de julho. Além de debater sobre o tempo de espera do SUS, será elaborado um documento com recomendações para entrega aos Conselhos de Saúde, às Prefeituras, às Câmaras de Vereadores e outras instituições públicas.


Para Silvia Cervellini, co-fundadora do Delibera Brasil e especialista na metodologia de minipúblicos no Brasil, “construir um sistema de saúde universal e gratuito em um país com a proporção do Brasil, tanto em dimensão geográfica quanto em dimensão populacional, é uma tarefa desafiadora. Por essa razão temos que ouvir, além de especialistas no assunto, quem utiliza o SUS no dia-a-dia que, com certeza, já pensou em melhorias e otimizações para a saúde brasileira. Afinal, quem nunca esteve na fila de espera da atenção especializada ou em uma emergência congestionada e pensou que o serviço poderia, ser mais ágil para facilitar a todos?”.


Já, Luciane Udovic Bassegio, presidente da Associação Grito dos Excluídos Continental, reforça que “esta participação nos minipúblicos fortalece o sentimento cidadão de que é possível sim exercer a democracia. Uma democracia transparente, responsável onde, bem informados, podemos exercer nosso direito cidadão influenciando e fazendo incidência em temas que afetam a nossa vida, o nosso cotidiano”.



Em meio à pandemia, 40 moradores da Região Metropolitana de Porto Alegre são sorteados para deliberar sobre fortalecimento e melhorias para do SUS

Minipúblico: Tempo de espera no SUS - O que propor e como conquistar?

Quando: 14, 17, 21 e 24 de julho. Participação online


Delibera Brasil

Fundado em 2017, o coletivo Delibera Brasil é uma organização sem fins lucrativos e suprapartidária que objetiva contribuir para o fortalecimento e aprofundamento da democracia brasileira, ao promover e viabilizar a deliberação cidadã. Essa nova forma de participação cidadã ajuda governos, lideranças políticas, movimentos, comunidades e coletividades a encaminharem decisões difíceis e complexas, com foco no bem comum por meio de sorteio, minipúblicos e deliberação de soluções para problemas de bairros, regiões, cidades, estados e países.


Grito dos Excluídos/as A proposta do Grito nasce no Brasil em 1994, inspirada na Campanha da Fraternidade da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que tinha como lema a Fraternidade e os Excluídos. Em 1999, o Grito dos Excluídos/as ecoa em outros continentes. Foi assumido por 15 países da América Latina e Caribe. Tem como objetivo social animar, organizar e articular os movimentos populares das Américas, pelo respeito aos valores humanitários como condição essencial de realização da justiça social, da cidadania e da democracia.


Rede Brasileira de Cooperação e Emergência É uma associação da sociedade civil fundada em 14 de novembro de 1995. Congrega profissionais que atuam na gestão, gerenciamento e atenção às urgências médicas no país. Busca incidir na formulação e aplicação das políticas e desenvolver redes, gerência e trabalho no campo das urgências.


Clique no link e assista como foi o sorteio pelo canal da RBCE: 🏾 https://youtu.be/bv4YNz6hM0o